5 de agosto de 2010

RETRATO DE AGOSTO

Madrugada fria.
Emolduro meu rosto
por entre as grades
da janela de minha existencia.
Olho pra fora e nada vejo
alem de um enorme vazio
que me da medo,
me assusta;
tremor, solidao que machuca meu peito;
que doi, que fere, que sangra
as arterias da minha emocao.
Geada que cai
e queima a mais delicada petala,
intimidade da alma,
matando a mais pura essencia,
levando pra sempre seu mais puro perfume
a cor, o brilho de minha juventude
deixando o frio
seco
cego
de quem nao vive mais para si proprio.
Congelando pra sempre
um sorriso,
num album de memoria,
retrato de vida,
lembranca
de quem nao vive mais.
DOUGLAS MAGLIO

Um comentário:

Avlis disse...

Fotografia... congelado... pra sempre

Nossa.. amo essa integência poética